Campanha Dezembro Vermelho aposta na informação como medida de prevenção à HIV/Aids

08 de dezembro de 2022

O governo do Maranhão, através da Secretaria de Estado da Saúde (SES), iniciou os preparativos para o lançamento da Campanha Dezembro Vermelho 2022. Com o tema “Deu match – curta e compartilhe a prevenção”, a mobilização conta com vasta programação, tendo como público-alvo os jovens de 16 a 35 anos, faixa etária em que mais se registram novos casos de exposição a situações de risco ou infecção pelo vírus HIV, causador da Aids.

“O SUS tem como principais características a integralidade e a universalidade na oferta de serviços. A Campanha Dezembro Vermelho carrega esse mesmo DNA ao intensificar ações de testagem, o incentivo a métodos de prevenção e informação sobre tratamento. Com isso, conferimos à sociedade o direito à vida e à dignidade com a quebra de estigmas”, disse o secretário de Estado da Saúde, Tiago Fernandes.

O Dezembro Vermelho é uma campanha de conscientização, instituída pela Lei nº 13.504/2017, para o tratamento precoce da Aids e de outras infecções sexualmente transmissíveis. 
De acordo com dados da SES, no ano passado, 2.299 pessoas testaram positivo para o vírus HIV. Em 2022, até o mês de outubro, foram 1.852 registros de pessoas com a imunodeficiência.

Para garantir a proteção contra o vírus, o SUS oferta gratuitamente um conjunto de medidas conhecido como Prevenção Combinada. Entre as formas disponíveis, estão os testes rápidos, preservativos masculino e feminino, vacinação contra doenças sexualmente transmissíveis (Hepatite B e Papilomavírus Humano – HPV), medicações para pré e pós-exposição a situações em que exista o risco de contato com o vírus HIV, além de exames de pré-natal para gestantes como forma de prevenção da transmissão vertical.

A Prevenção Combinada é para todos, mas tem como foco principal a população vulnerável, são eles: jovens, profissionais do sexo, homens que fazem sexo com homens (HSH), privados de liberdade, pessoas trans e gays, além de pessoas em situação de rua, população negra e indígena.

“A campanha vem para reforçar ações que já são realizadas durante todo ano, mas que serão executadas com maior ênfase com a juventude. Neste sentido, temos trabalhado com diversos segmentos da sociedade, desde comunidades quilombolas a estudantil, em pessoas em conflito com a lei, bem como fazer a distribuição de preservativos, testes rápidos e medicamentos para ISTs [Infecções Sexualmente Transmissíveis]”, disse a chefe do Departamento de Atenção às IST/Aids e Hepatites Virais da SES, Jocélia Frazão de Matos.

No sistema público de saúde, os testes rápidos para detecção do HIV são oferecidos nas unidades básicas de saúde dos municípios. Já o tratamento é ofertado nos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) e nos serviços de assistência especializados, também de responsabilidade das prefeituras. Na rede estadual, a unidade de saúde referência para testes e tratamento é o Hospital Presidente Vargas, localizado no bairro da Jordoa, em São Luís.

Programação

A agenda de ações se inicia nesta  quarta-feira (7), na Praça Nauro Machado, Centro Histórico de São Luís, quando será feita a abertura oficial da Campanha Estadual do Dezembro Vermelho. Na ocasião, uma Blitz Informativa de Prevenção Combinada será realizada com a distribuição de preservativos masculinos e femininos, gel lubrificante e material informativo.

No mesmo dia, na cidade de Itapecuru-Mirim, a SES realizará o I Seminário sobre Prevenção Combinada com Juventudes Quilombolas. A programação segue no dia 9 de dezembro com roda de conversa no Núcleo de Mulheres Empoderadas (APOSMA) e população de rua, com presença da Carreta da Mulher, da Secretaria da Mulher (SEMU), no Centro Histórico.

No dia 16 deste mês será a vez dos adolescentes em conflito com a lei que se encontram na Fundação da Criança e do Adolescente do Maranhão (Funac), em São Luís. Os jovens serão beneficiados com um momento de diálogo sobre as formas de proteção contra o vírus. 

Até o fim do mês, a SES prevê ainda a visita a escolas e espaços de saúde da rede estadual, bem como centros religiosos, abordando a importância da prevenção como principal ferramenta contra o vírus HIV/Aids.